A insustentável leveza do ser, por Isabella Rossellini

Padrão

Vocês viram o post de domingo sobre o filme Troi fois 20 ans, uma comédia sobre o envelhecer com a atriz Isabella Rossellini?

Tenho observado um novo comportamento na sociedade ocidental: a inclusão e valorização das pessoas com mais de 40 anos. Fiz, há pouco tempo, uma matéria com modelos com mais de 40 anos que voltaram a desfilar e a fazer campanhas publicitárias porque, mais do que beleza, elas passam credibilidade. Elas têm repertório de vida.

Neste final de semana, lendo duas revistas francesas – Marie Claire e Madame Figaro –, encontrei a mesma pauta: uma entrevista com Isabella que fala com classe e clareza do tempo, do envelhecer, dos projetos, dos filhos e dos amores. Coloquei aqui um resumão juntando as duas entrevistas e muitas fotos da carreira dela, como modelo e como atriz.

Ah, só para atualizar as mais jovens: Quem é Isabella Rossellini

Sua mãe, Ingrid Bergman

Quando criança, eu não compreendia a lenda em torno da minha mãe… Assim como meu pai, ela tinha senso de humor. Mas, em casa, a timidez escandinava prevalecia. Quando o meu pai disse que eu não era feia, ela logo disse “inesperado, certo?”, na esperança de cortar logo os elogios. Devo a ela o meu DNA sueco.

Seu pai, Roberto Rossellini

Eu tinha por ele um amor enorme. Ele nunca tinha dinheiro em casa. Meu pai, latino, vulcânico, apaixonado por Ferrari e em gastar. Eu lhe dediquei um longa-metragem de Guy Maddin. E eu estou muito feliz em ver no Festiva de Paris o único filme surrealista do meu pai, “La macchina ammazzacattivi”.

Seu filme: Green Porno

Meu filme se interessa pela vida sexual dos animais. O próximo tratará das formas como apreendem a maternidade. Meus pais tinham o espírito, o talento, o gosto do trabalho bem feito e eu estou realmente apaixonada pelo meu trabalho de diretora.

David Lynch

As pessoas sempre o imaginam como difícil de conviver. Ele é bem menos excêntrico que Martin (Scorcese). David possui uma espécie de ingenuidade, de gentileza e de doçura. Seus amigos o chamam de “coração de criança”. Eu fiz dois filmes com ele, “Veludo Azul” e “Coração Selvagem” que fem minha reputação no cinema.

Nick Ut

No filme “Veludo Azul”, minha personagem caminha nua pela rua. Uma ideia de David. Eu me inspirei em Nick Ut e sua foto da pequena garota queimada, com seus gestos com as mãos. Ela corre numa estrada, completamente perdida, sem tentar se cobrir.

Moda

Duas grandes vozes foram silenciadas: Alexander McQueen, morto no ano passado, e John Galliano, marginalizado pelos seus excessos. Caprichosos ou excessivos, os costureiros fazem arte. Quando eles desenham roupas só para vendê-las, o interesse pela moda cai. Olhe para mim com as minhas pantalonas pretas e minhas camisas brancas. Elegantes, se quiser, mas minimalista, mais frugal sueco, impossível.

Cover girl

O estatuto de filha (de famosos) me intimidou por muito tempo. Eu me tornei atriz graças a minha carreira de modelo, já que ambas as profissões exige saber expressar emoções. Eu sinto falta desse trabalho, pois eu tive uma longevidade nessa carreira incrível: durou 20 anos. A idade provoca alguns inconvenientes, os anos bons se vão e não voltam mais, as coisas escapam, infelizmente, sem jamais retornar.

Cidade X Rural

Eu vendi, há alguns meses, meu apartamento em Manhattan, e vim morar com o meu filho na minha residência secundária. Roberto, meu filho, estuda biologia marinha, e Long Island possui uma excelente instalação. Aqui, ele estuda fauna e flora e o ecossistema das praias.

Isolamento

No início, eu fiquei um pouco apreensiva, eu pensava ser uma citadina incurável que decidira se refugiar num espírito de sacrifício maternal. Mas aconteceu o contrário. Eu jamais estive assim, tão feliz.

Memórias e Lembranças

Eu mesma dei aos filhos de Martin as joias que ele me dera. A mesma coisa eu fiz ao dar para a minha filha Electra as coisas recebidas do seu pai. Hoje, ela as possui. Eu não possuo mais nada dos meus velhos… perdão, dos meus ex. Eu guardo, porém, algumas joias da minha mãe.

Envelhecer e o filme “3 fois 20 ans”

Eu amo muito essa perífrase 3 fois 20 ans (3 vezes 20 anos) porque as pessoas logo pensam que a abordagem sobre as pessoa acima dos 60 anos é necessariamente velha e cansada, entretanto, você pode estar cheio de energia e de projetos. Com a experiência e a prudência, nessa idade, sabemos o que podemos ou não realizar.

Maturidade

Quando eu era bem jovem, as pessoas queriam sempre saber quem era o meu amante do momento, mas hoje em dia ninguém mais me faz perguntas assim. Por quê? Eu não teria vida amorosa por não ter mais 20 anos? Isso não mais me inquieta. Eu fico muito surpresa quando leio na imprensa que tal atriz está deprimida aos 40 anos, pois não é realmente uma preocupação da maioria dos meus amigos! Não, sinceramente, eu não me levanto pela manhã e me digo: Meu Deus, eu estou envelhecendo. Que faço?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s