Terceiro dia: muitas aventuras pelos bosques de Ushuaia

Padrão

IMG_3469

No terceiro dia fizemos o mais radical e divertido programa. Fomos conhecer o bosque e seus lagos num passeio numa Land Rover 4×4. O nosso guia Wagner Rivero não tinha juízo algum, mas tinha bom humor e contagiou o grupo. Fez o carro ficar em 90 graus e eu quis matá-lo. Como não se pode mexer na natureza, uma árvore caiu e ele teve que atravessar com o carro inclinado. Ele me torturou até o final do passeio. O tempo todo me chamava pelo nome e me zoava. Só não o estrangulei porque é uma estrela que brilha, soube integrar a turma – tinham dois casais portenhos simpaticíssimos – e nos passou muita segurança.

O tronco que caiu. O carro passou inclinado em 90 graus, pois não é permitido mexer en nada.

O tronco que caiu. O carro passou inclinado em 90 graus, pois não é permitido mexer en nada.

Como o meu celular tinha uma capa da bandeira da Inglaterra, o guia virou pra mim e perguntou: “Você é inglesa?”. “Claro que não”, respondi. “Ainda bem, pois, se fosse, a jogaria no lago agora mesmo”, concluiu. Eles odeiam os ingleses e os chilenos.

Nossa primeira parada foi na Tierra Mayor onde, no inverno, realizam passeios em trenós puxados por belos cães. O objetivo era tomar um chocolate quente porque tava frio pra caramba (4 graus, aproximadamente), embora fosse o pico do verão. Prometi voltar lá no inverno porque quero fazer esse passeio.

No inverno, toda essa vegetação fica coberta de gelo e neve onde ocorrem os passeios com os cães.

No inverno, toda essa vegetação fica coberta de gelo e neve onde ocorrem os passeios com os cães.

Os cães estão de férias. Em equipe, chegam a 60 km/hora.

Os cães estão de férias. Em equipe, chegam a 60 km/hora.

No caminho, vimos o Serro Castor, a estação de esqui que só funciona no inverno, claro. 90% do público são brasileiros. O investimento acontece porque, no inverno, há uma queda de 60% de turista em Ushuaia. Acredito que as tempestades típicas da época e a falta e tradição como local de estação de esqui acabam afastando o turista.

Estação de esqui.

Estação de esqui.

Voltando para a estrada, seguimos pela Rota 3, que liga “o fim do mundo” a Buenos Aires. Paradinha no mirante Paso Garibaldi para contemplar essa vista incrível, unindo terra e lagos.

Tão alto e tão frio.

Tão alto e tão frio.

O lago e a estrada Rota 3.

O lago e a estrada Rota 3.

Chegamos, finalmente, no Lago Escondido. O assistente do Walter – que peço mil desculpas por ter me esquecido de seu nome – se separa da gente. Ele pega um barquinho e segue com a nossa comida. Nós entramos no bosque. Foi aí que a aventura começou. Tudo improvisado e estrada de nada. A vegetação destruída por um incêndio que ocorreu há décadas e pelos castores que não param de se reproduzir e derrubar árvores. A vista é desoladora. O terceiro motivo do desastre é o vento que não dá trégua. A vegetação frágil não aguenta seus “predadores”.  Em alguns momentos, o carro segue o percurso beirando o lago. STOP. Hora de seguir o percurso andando. A sensação é ruim, a terra fofa nos instabiliza. Parece que vamos afundar. Sob folhas, galhos e troncos há gelo. Espalhado por toda a vegetação, um cogumelo que custa o olho da cara e não tem gosto de coisa alguma.

Ação dos castores.

Ação dos castores: problema gravíssimo em toda a ilha, inclusive do lado chileno.

Ação do incêndio.

Ação do incêndio: a natureza frágil demora décadas para se recuperar.

Ação do vento: troncos contorcidos ou inclinados.

Ação do vento: troncos contorcidos ou inclinados.

Construindo uma estrada. Nem mesmo a Land Rover conseguiu atravessar.

Construindo uma estrada. Nem mesmo a Land Rover conseguiu atravessar. Enquanto Walter trabalha, a gente fotografa.

Chegamos à cabana. O cheiro de comida é inebriante. Senti-me salva e recompensada. Pensei em usar o banheiro improvisado, mas ao ver que era só um buraco, contive-me. A comida – a minha era vegetariana – era muito saborosa, farta, acompanhada de suco e vinho. Ao final, um cafezinho com um doce.

Andando até chegar na cabana.

Andando até chegar na cabana.

Na cabana. Após o almoço, Walter prepara o nosso café.

Na cabana. Após o almoço, Walter prepara o nosso café.

Voltamos no barquinho para contemplarmos o lago, embora o frio, o forte vento e a chuva fina tenham nos feito manter a cabeça abaixada.

A volta foi cheia de papo bom, mas quando perguntei sobre as Malvinas, o tom da conversa mudou e veio um turbilhão de ressentimentos e orgulho ferido. Eles se engasgam, pausam e lamentam. Para eles, a luta não acabou. Ao final, aquele abraço de um convívio bacana e inesquecível.

Pegando o barquinho. Como chovia, não dei para fotografar o percurso.

Pegando o barquinho. Como chovia, não deu para fotografar o percurso.

Esqueci seu nome, mas deixo registrado aqui: o melhor cozinheiro de 4x4.

Esqueci seu nome, mas deixo registrado aqui: o melhor cozinheiro de passeio 4×4.

Os portenhos mais simpáticos da nossa viagem. Um abração, Carlito!

Os portenhos mais simpáticos da nossa viagem. Um abração, Carlito!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s